Páginas

20 julho, 2014

Chega de Justiça com as próprias mãos


Por esses últimos dias foram divulgadas notícias de um homem que foi agredido por comerciantes por ser confundido (imbecilmente, podemos dizer) com um assaltante do local e espancado, quase morto. Tenho quase certeza que você já sabe de quem se fala, passou nos programas de notícias da Globo. Eu particularmente vi no programa "Encontro com Fátima Bernardes", exibido de manhã. Que aliás foi o homem e sua mãe falar sobre o assunto no programa.

O homem de quem falo é um professor de história, que trabalha e mora em São Paulo. O acontecimento foi realizado quando o professor praticava o seu treino de corrida diário. Em que foi confundido com um assaltante que roubava um bar no local. Ele foi abordado por 20 pessoas e espancado, quase que morto. Até o momento em que bombeiros passarão pelo local e explicou que era professor de história, aliás deveria ter dado aula de outras coisas, mais não vem ao caso.

E não é a primeira vez que isto acontece, houveram outros casos. O mais repercutido foi o de uma mulher que foi espancada até a morte, tudo por causa de um retrato falado com a imagem errada. Ela foi confundida com a pessoa da imagem, era uma trabalhadora que infelizmente foi tratada daquela forma. O caso do professor foi melhor, pelo fato de estar vivo e não ter sido relatado pelos jornais, programas de TV da mesma forma daquela senhora, morto.

O que vou discutir não é sobre o acontecimento em si, sim pela maneira que os fatos aconteceram. O título é claro "Chega de Justiça com as próprias mãos". Vou dar a minha opinião sobre esse tipo de coisa. Por quê causou muito "Rebuliço" ou "Repercutido" na mídia e pouco sobre como aconteceram.

Chega de justiça com as próprias mãos, é uma coisa que a polícia tem que fazer. Claro, pode ajudar, entregando o pessoa para as forças policiais. Os fatos ditos acima foram todos por quê as pessoas pensaram que as 'tais' pessoas fossem bandidos. Pensaram que fossem criminosos e decidiram fazer um trabalho que não é seu.

"Pensar" algo nesse assunto é uma coisa muito errada. Não se pode pensar que é e levar ao pé da letra. Não se resolve um crime supondo as coisa, não se acerta uma pergunta supondo,  ou seja, supor não adianta nada. Tem que ter certeza e aí se pode falar de outra coia.

E ainda sim não deveria ter espancado e muito menos matado toda e quaisquer pessoa, independente de quem for ou tiver feito. Em legitima defesa é outra coisa. Um e nem um grupo, várias pessoas lá para ver ou espancar a mulher também. E o pior nenhuma pessoa no local foi dizer para não fazer tal ato ou impedir que fosse acontecido. Todos estavam com muita certeza que era aquela mulher e decidiram fazer.

Uma verdade seja dita, muitos não pagam seus crimes por quê as leis e comandantes das leis não fazem sua parte. Por três fortes fatores: Leis que não são cumpridas; Leis que não estão de acordo com nossa atual época e que quem deveria estar do lado de pessoas de bem está do lado dos bandido, ou seja, os dirigente do poder. Nenhum deles é suficiente explicativo para que seja feito isso.

Te faço duas pergunta: E se tivesse acontecido com você? Se fosse espancado por ter sido confundido?
 Tenho toda e completa certeza que não gostaria nem um pouco. Então por quê fazer isso com a outra pessoa. Por quê fazer com um outro ser humano o que não gostaria que acontecesse com você. Varia muito de pessoa para pessoa, não podemos fizer isto para todos. Reflita sua opinião e pense.

Esse tipo de acontecimento deve ser discutido em escolar e programas de TV. Um ditado polular ótimos é "Não deseje para os outros o que não quer para si". 

Diga sua opinião sobre o assunto nos comentários. O que acha?