Páginas

12 setembro, 2014

Mulheres Irreais!


Eu sou um mundo todo. Sou todo um mundo. Sou uma dimensão paralela. 3/3 do espaço. Uma texto inacabado. Uma palavra bem dita. Uma palavra maldita. Sou um lindo ser. Um gracioso ser. Sou inspiradora. Sou a inspiração. Sou atenciosa. Pretensiosa. Sou inteligente. Muitas vezes inadimplente. Sou curiosa. Uma caça-mundo. Sou tudo e nada. No meu tempo, não ao mesmo tempo.
Nesse meu mundo doido, eu estou desgovernada. Sem saber por onde ir, como ir e para onde ir. O futuro na minha mente está todo planejado. Se me perguntar, lhe digo com uma vasta riqueza de detalhes. Bem calculado, cautelosamente. De o que devo fazer, onde chegarei, como chegarei e de quem serei . Mas, a verdade é que. Essa personagem que criei não exite.

É uma mulher perfeita que faz tudo perfeito. E a verdade é que ela não exite, não exite em mim e nas outras pessoas. Essa mulher é mais do que o ser humano mais gracioso pode ser. Ela é o espelho distante do que me verei daqui a anos. E ver que á ela não chegarei é desgastante. Me sinto impotente. Ela não sou eu e imaginar ela vivendo o que quero viver é triste. Triste para mim que mesmo querendo com todas as minhas forças. Não consigo fazer e planejar as mesmas coisas que fiz com elas para mim. Derramar todo o planejado para fora. E se for preciso, reconstruir calculando tudo, cautelosamente. Quantas vezes conseguir, mesmo se não puder.

Ela consegue tudo pois aquele mundo é dela, ela manda e desmanda. No que ela quiser. E cada pessoa que ela encontra já sabe exatamente o que fazer. Sabe o passado e o futuro de cada um. Dela mesma. Com os seus raros erros aprende o que deve e não deve fazer. Não tem dúvidas, tem certezas. Tem certeza dela e do que faz. Confiança é ao que não falta. Nela não falta nada. Só sobra, e as usa quando preciso. Faz o que for preciso para conseguir oque quer.

No seu mundo todos gostam dela. Pode não ser de primeira. De segunda não tem erro. Já arremata o coração. Dá duas, três, quatro nós. Para sair é difícil. Não tirar o nó e sim desapegar da figura. Da figura que sabe como te encontrar e te usar quando bem entender. Os homens caem aos seus pés. Que estão com um sapato glamouroso para arrematar. Todo o resto glamouroso. Dos pés até a cabeça. Profissionalmente nem se fala. Pode chegar quem quiser, ela consegue. Ela sempre consegue. Por mais que não seja apropriada. Com seu jeito conquistador, encanta quem passar.

Ela: sem nome, idade. Faz o que eu e você não fazemos. E por mais que saibamos que essa perfeição não exite. Tratamos a sua misera presença como se fosse das mais importante. Ela não é importante. Ela só está lá para te atingir e de certa forma motivar. Ela mostra o que você não faz pois não quer, é fraca. E tudo que ela tem, você pode um dia ter. Se tentar. Talvez não, talvez. Não seja ela. Seja você e se motive nela para um dia ser a melhor imperfeição humana. Perfeita não vai ser e nunca será. Mesmo se tentar. Ela é uma combinação de você, o que te inspira e o inalcançável.